Visualizador de Conteúdo Web
Visualizador de Conteúdo Web

Perguntas frequentes

A seguir, existe uma lista com as perguntas mais frequentes. Esta lista é atualizada periodicamente, de modo que é possível encontrar informação muito útil para poder completar a vossa candidatura.

Se não encontrarem a resposta que procuram, podem contactar com healthresearch@fundaciolacaixa.org
  • Nesta edição, o sistema de submissão de propostas a convocatórias de investigação é novo e estará disponível no seguinte link.

    A partir de 9 de dezembro de 2019, esta nova plataforma on-line estará aberta para o registo dos utilizadores. Recomendamos que tanto os candidatos como os gestores de organizações se registem com tempo para poder conhecer bem o sistema.

    É possível submeter as propostas de 8 de janeiro de 2020 às 14 h a 12 de fevereiro de 2020 às 14 h.

  • a) O líder de projeto (Project Leader, PL): deve registar-se na plataforma on-line com os seus dados pessoais e vincular-se à sua organização. Se a organização não estiver na lista de entidades, será necessário incluí-la introduzindo o nome e número de identificação (NIF para organizações espanholas e VAT number para organizações portuguesas).

    b) O gestor da organização (Organization Manager, OM): cada organização terá de nomear um único OM para todas as convocatórias de investigação e inovação, que se deve registar com os dados pessoais. Para ser validado como OM, deve apresentar a carta de nomeação por parte da organização (consultar o modelo ou template no perfil de OM). O departamento técnico da "la Caixa" irá validar esta informação antes de dar acesso ao OM à informação das propostas (dados básicos das propostas, orçamento e membros do consórcio).

    c) O investigador principal (Principal Investigator, PI) ou representante de uma organização da sociedade civil (Civil Society Organization, CSO): receberá o convite de participação no projeto por parte do PL. Uma vez aceite o convite e com o registo prévio no sistema com os dados pessoais, terá acesso à leitura da proposta.

  • Qualquer proposta, seja individual ou em consórcio, necessita da autorização da sua organização para ser tratada. Isso implica uma validação, através da própria plataforma on-line, por parte do gestor da organização (OM).

    Nas propostas individuais com organizações da sociedade civil (CSO) ou nas propostas em consórcio de investigação, também é necessária a aceitação, por parte dos membros, da participação na proposta através da mesma plataforma on-line. Se faltar alguma destas aceitações, só se poderá dar seguimento eliminando o membro em questão (tanto no módulo de convite como no quadro com a informação dos membros do consórcio).

    Se houver alterações na secção de dados gerais e informação da proposta e/ou na composição dos membros do projeto, será necessário aceitar novamente os convites, para o qual recomendamos não enviar os convites até ter estes dados preenchidos e verificados.

    Durante o processo de candidatura, está disponível um botão de validação para verificar se os dados introduzidos estão corretos. Aconselhamos a utilização desta validação ao longo do processo de candidatura de modo a cumprir a data limite de encerramento da convocatória.

  • É possível apresentar qualquer projeto de investigação novo nas áreas temáticas de investigação seguintes, entendidas num sentido alargado: (1) neurociências, (2) oncologia, (3) doenças cardiovasculares e metabólicas relacionadas, (4) doenças infeciosas e (5) tecnologias facilitadoras nas quatro áreas temáticas anteriores.

  • Investigação básica

    A investigação básica proporciona conhecimento para entender a natureza e as suas leis. Apesar de se levar a cabo sem pensar nas finalidades práticas, este conhecimento proporciona os meios essenciais para responder a um grande número de problemas práticos importantes.


    Investigação clínica

    A investigação clínica é aquela que se faz com seres humanos (ou com material de origem humana, como tecidos, amostras e fenómenos cognitivos) e em que a equipa de investigação (ou colegas) interage diretamente com seres humanos. Excluem-se desta definição os estudos in vitro feitos com tecidos humanos que não se podem relacionar com um indivíduo vivo. Inclui os ensaios clínicos, os estudos epidemiológicos e comportamentais, a investigação de resultados e a investigação de serviços de saúde.


    Investigação translacional

    A investigação translacional promove a integração bidirecional da investigação básica e da investigação clínica, com o objetivo a longo prazo de melhorar a saúde das pessoas. Acelera o movimento entre a investigação básica e a investigação clínica, o que dá lugar a:

    • O estímulo de uma compreensão científica sólida da saúde e da doença humanas.

    • Uma compreensão científica ou uns padrões de assistência novos ou melhorados, melhores resultados nos pacientes, a implementação de boas práticas e um melhor estado de saúde das comunidades.

  • Podem apresentar-se projetos nos quais a investigação se baseie na criação e desenvolvimento de tecnologias facilitadoras em saúde, como por exemplo micro- e nano-eletrónica, ciências computacionais, big data, fotónica, nanotecnologia, biotecnologia, materiais avançados e sistemas de fabrico avançados. Os projetos devem estar centrados em qualquer uma das áreas temáticas anteriores.

    Entre os avaliadores destes projetos haverá especialistas nas várias tecnologias facilitadoras, para além de especialistas em biomedicina e saúde das várias diferentes temáticas.

    Se o núcleo do projeto for uma doença ou patologia, recomendamos apresentá-lo na área temática correspondente à doença para uma melhor avaliação. Se o núcleo do projeto for a criação e o desenvolvimento da tecnologia, recomendamos apresentar a proposta na área temática de tecnologias facilitadoras.

  • Podem apresentar-se projetos no âmbito das doenças cardiovasculares e das doenças metabólicas associadas a riscos ou alterações cardiovasculares. Num sentido amplo, a investigação das propostas em doenças metabólicas deve estar relacionada com a patologia cardiovascular.

  • Sim, esta convocatória não tem incompatibilidades com outros programas da Fundação "la Caixa", sempre que as quantias solicitadas não recebam o apoio económico destes programas da Fundação "la Caixa". No formulário da proposta, é necessário indicar a participação noutros programas da "la Caixa".

  • Não, os líderes de projeto (PL) galardoados com uma ajuda da Convocatória em Saúde das duas edições anteriores não se podem apresentar como PL nesta edição.

  • Não, os líderes de projeto (PL) dos projetos que obtiveram uma avaliação inferior a 5,50 na avaliação por verificação remota de especialistas (peer review) da convocatória imediatamente anterior não podem submeter candidaturas como PL na convocatória atual.

  • Sim, um médico sem diploma de doutoramento em investigação (PhD) pode participar nesta convocatória como investigador principal (PI) ou membro da equipa de uma organização do consórcio de investigação, mas não como líder de projeto (PL).

  • Sim, nestes casos de projetos individuais o orçamento máximo que se pode solicitar na proposta é de 500 000 €.

    Nos projetos individuais, além da instituição que se candidata, podem participar entidades da sociedade civil (como associações de pacientes).

  • Um consórcio de investigação é um grupo de duas ou mais instituições de investigação que colaboram num projeto. Para esta convocatória, os consórcios podem ser formados por um máximo de 5 instituições de investigação (incluindo a organização que se candidata).

    Uma organização define-se por um único número de identificação (NIF para organizações espanholas e VAT number para organizações portuguesas). Cada organização só pode nomear um único investigador principal (PI). No caso da organização que se candidata (host organization, HO), o PI é o líder do projeto (PL).

    Tanto em projetos individuais como em consórcio, podem participar entidades da sociedade civil sem fins lucrativos (como por exemplo, associações de pacientes).

  • Não, o facto de as propostas serem individuais ou em consórcio não serve em nenhum caso como critério de seleção durante o processo de avaliação. As propostas de projetos apresentadas por equipas de uma única instituição e as equipas formadas por membros de mais do que uma organização são avaliadas segundo os mesmos critérios de seleção, que se especificam nas bases do concurso.

  • Um investigador só se pode apresentar como líder de um único projeto. Um líder de projeto (PL) também pode aparecer em vários projetos como investigador principal (PI) ou como membro da equipa se a sua organização fizer parte de outros projetos em consórcio de investigação. Uma organização não tem limite de apresentação de propostas.

  • Não, as empresas não podem apresentar projetos como organização candidata (HO) nem como organizações da sociedade civil (CSO), já que estas não podem ter fins lucrativos. Ainda assim, podem receber orçamento do projeto como entidades subcontratadas por uma organização do projeto.

  • Não são elegíveis os projetos que desenvolvam estudos cujos resultados estejam submetidos a direitos, de qualquer natureza, com uma entidade com fins lucrativos antes do encerramento das aplicações. Também não serão elegíveis estudos que avaliem a eficácia ou a segurança de produtos, terapias, dispositivos médicos/produtos sanitários ou sistemas de diagnóstico de entidades com fins lucrativos.

  • Os projetos que peçam um apoio superior a 500.000 € deverão incluir no orçamento o custo de uma auditoria externa que deve ser feita pela organização candidata (HO) no final do período do projeto.

    A HO deve apresentar um relatório de uma auditoria (relatório de procedimentos acordados) sobre a nota justificativa do projeto, onde se especifiquem as despesas imputadas ao projeto e os procedimentos que a auditoria aplicou para validar a imputação correta nesta nota justificativa, de acordo com o orçamento aprovado. Este relatório pode encomendar-se à auditoria de contas da HO do projeto ou a qualquer outra auditoria com experiência em relatórios de procedimentos acordados sobre contas justificativas.

    O relatório de auditoria da totalidade do projeto, que a HO deve apresentar, também pode incluir relatórios de auditorias das organizações do projeto relativamente aos elementos do projeto e do orçamento que estejam relacionados, quando a auditoria da organização principal não o audite diretamente.