Resultados do consurso

Mostrar texto Ocultar texto
  • Help2Care-PAL

    Instituto Politécnico de Leiria

    Âmbito de intervenção: Cuidadores informais

    Descrição: Help2Care-PAL, inovação e-Health, pretende apoiar na capacitação do cuidador no cuidar do seu familiar e a cuidar de si. O Politécnico de Leiria e a Beja+ irão avaliar, co-construir e intervir, ajustando os recursos para vigiar a evolução do doente e cuidador, prevenir sobrecarga e luto complicado.

  • OLAIA – Mais vida na demência com natureza e arte

    Santa Casa da Misericórdia de Riba De Ave

    Âmbito de intervenção: Pessoas com demência.

    Descrição: Programa terapêutico de abordagem paliativa e multissensorial a quatro níveis: ambiental, grupal, familiar e individual, num centro de referência para pessoas com demência. Serão introducidos elementos da natureza nos espaços interiores utilizados pelas pessoas com demência e famílias através da instalação de 2 estruturas (2m de altura) em forma de árvore inspirada na Olaia. Em paralelo, decorrerá um programa terapêutico centrado nas pessoas com demência e suas famílias que combina 3 terapias complementares e articuladas entre si, arteterapia (olaria), musicoterapia e aromaterapia.

  • Emergências paliativas, pontes para a resposta

    Instituto Nacional de Emergência Médica

    Âmbito de intervenção: Doentes mais velhos (pessoas com mais de 80 anos).

    Descrição: Pretende-se que as pessoas com doença incurável agudizada sejam sinalizadas no momento que contactam com o sistema de emergência, recebam cuidados ajustados às necessidades específicas e sejam referenciadas para a equipa de saúde mais adequada, evitando transporte ao hospital.

  • CuidadosaMente – Polo de capacitação para cuidados paliativos na demência

    Santa Casa de Misericórdia de Ovar

    Âmbito de intervenção: Pessoas com demência.

    Descrição: Intervenção pluridisciplinar, que permita sensibilizar, formar e apoiar cuidadores formais, informais e jovens da comunidade que se encontrem a ingressar no mercado de trabalho. A criação e dinamização do polo de capacitação permitirá fornecer recursos importantes aos trabalhadores de instituições concelhias, jovens à procura de emprego e cuidadores informais de forma a que consigam assegurar cuidados paliativos diferenciados, particularmente na demência.

  • Ambulância Mágica

    Cruz Vermelha Portuguesa – Delegação de Coimbra

    Âmbito de intervenção: Adultos com doenças neurodegenerativas.

    Descrição: “Ambulância Mágica” consiste num projeto de promoção do bem-estar emocional destinado a adultos com doença neurodegenerativa em fase de tratamento paliativo (Doença de Parkinson, EM, ELA, doença de Huntington, paramiloidose, doença de Machado-Joseph), que consigam manifestar de forma autónoma, livre e orientada um desejo a concretizar. Inspirado em projetos internacionais como o “The Ambulance Wish”, pretendem, em articulação direta com a equipa multidisciplinar de cuidados paliativos que acompanha o doente, disponibilizar recursos materiais e humanos que possibilitem a concretização de um desejo significativo para o doente.

  • Projeto de intervenção precoce de apoio no luto (PIPAL)

    Instituto das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus - Casa de Saúde da Idanha

    Âmbito de intervenção: Cuidadores informais.

    Descrição: Promover uma intervenção precoce no luto dos cuidadores informais em contexto domiciliário no concelho de Sintra e a sua capacitação a nível nacional, de forma a diminuir o seu sofrimento, prevenir lutos patológicos e contribuir para a qualidade de vida de todos os intervenientes.

  • Vidas ligadas

    Santa Casa de Misericórdia Campo Maior

    Âmbito de intervenção: Doentes mais velhos (pessoas con mais de 80 anos).

    Descrição: Identificação de pessoas com mais de 80 anos, com alguma doença avançada e realização de um levantamento sistemático das suas significâncias (pessoas, acontecimentos, lugares, memórias, desejos, entre outros) por forma a elaborar, para cada uma delas, uma agenda de compromissos vitais a cumprir com o propósito de assegurar o sentido da vida até ao fim. O projeto também tem como objetivo extrair uma metodologia de trabalho que permita criar um novo serviço de acompanhamento a este público na comunidade e replicá-lo noutras comunidades.

  • (des)cobrir a ELA: estar perto de quem está longe

    Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica (APELA)

    Âmbito de intervenção: Doentes com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), famílias e cuidadores. Profissionais das estruturas de Saúde e Apoio Social com intervenção junto desses doentes nas áreas geográficas do Alentejo (Alto, Baixo, Central e Litoral Alentejano) e Alto Minho (Distritos de Braga e Viana do Castelo).

    Descrição: O projeto pretende desenvolver um conjunto de ações para chegar perto de quem está longe, através do mapeamento dos doentes com esclerose lateral amiotrófica (ELA) e das suas famílias, em particular das que residem no interior do país, onde se considera que as respostas de apoio são escassas. O projeto irá identificar estruturas de saúde e apoio social regionais que possam acompanhar doentes com ELA, sobretudo em fase avançada da doença, e as suas famílias, reforçar o banco de ajudas técnicas a disponibilizar a doentes e realizar ações de sensibilização e informação.

  • IntegrAçores - Cuidados paliativos integrais para todos

    Grupo de Amigos dos Cuidados Paliativos do Hospital Divino Espírito Santo de Ponta Delgada

    Âmbito de intervenção: População em geral da Região Autónoma dos Açores, doentes em cuidados paliativos e as suas famílias, assim como profissionais de saúde.

    Descrição: O projeto pretende aumentar a literacia em cuidados paliativos da população açoriana, prevendo a implementação de um programa de voluntariado de apoio aos doentes e suas famílias, integrado nas equipas de cuidados paliativos da Ilha de São Miguel, nos contextos domiciliário e hospitalar. Tem ainda como objetivos formar profissionais de saúde de todas ilhas açorianas para melhorar a abordagem paliativa nos seus contextos, bem como integrar uma plataforma de registo que permita melhor cooperação entre profissionais de cuidados paliativos das diferentes ilhas e finalmente visa facilitar o acesso a ajudas técnicas a doentes em cuidados paliativos em situação de dependência e/ou com mobilidade condicionada.

  • Comunidades Compassivas: Laços que Cuidam

    Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos

    Âmbito de intervenção: População com doença crónica, progressiva e incurável e as suas famílias; população em luto pela morte de uma pessoa; população com interesse em ser voluntário/a para apoio psicossocial e espiritual no Porto e Amadora.

    Descrição: O projecto “Cidades compassivas: Laços que Cuidam” tem como objetivo principal criar duas comunidades compassivas, no âmbito da Campanha Internacional para as Cidades Compassivas, ao apoiar pessoas com doença crónica, progressiva e incurável, em particular as que estejam a ser seguidas por equipas prestadoras de cuidados paliativos. O projeto visa desenvolver ações de sensibilização social, difundindo a necessidade de prestar cuidados e acompanhar as pessoas com doença avançada e/ou incurável; proporcionar ferramentas que ajudem a saber cuidar e acompanhar os doentes e famílias através da realização de ações de sensibilização e de formação; implementar redes comunitárias entre cidadãos e organizações da sociedade civil, bem como promover a inclusão e coesão social.

  • Caixa da Música

    Associacao Portuguesa de Música nos Hospitais e Instituicoes de Solidariedade

    Âmbito de intervenção: Utentes de uma unidade de saúde na Póvoa do Varzim, acompanhantes e famílias. Profissionais de saúde. Outros técnicos de hospitais e instituições.

    Descrição: O projeto “Caixa de Música” consiste na realização de intervenções musicais junto de pessoas em fase avançada da doença e seus familiares, bem como de profissionais de saúde. Os músicos circularão na instituição, tocando e interagindo musicalmente, respeitando os espaços físicos e psicológicos, sem interferir com a rotina dos serviços de cuidados paliativos. O objetivo é utilizar a música para promover o bem-estar psicossocial, espiritual e humanizar os espaços de convivência e de trabalho e melhorar a qualidade de vida das pessoas (doentes, acompanhantes e todos os profissionais que trabalham em cuidados paliativos). Criar tempos e espaços de criatividade e interação artística em que haja uma comunicação harmoniosa e partilha construtiva de emoções, promover a diminuição de sentimentos negativos quanto à institucionalização e diminuição do isolamento social em fim de vida.