Visualizador de Conteúdo Web

Alvaro Pirez d'Évora

Um Pintor Português em Itália nas Vésperas do Renascimento

Museu Nacional de Arte Antiga

Visualizador de Conteúdo Web
  • ONDE E QUANDO

    Lisboa

    Museu Nacional de Arte Antiga
    Rua das Janelas Verdes
    De 29 de novembro de 2019 a 15 de março de 2020
    Com o apoio do Instituto Italiano de Cultura

    HORÁRIOS

    Terça-feira a domingo, 10h00-18h00
    (encerra a 25 dezembro e 1 janeiro)

  • DESCRIÇÃO

    Alvaro Pirez é o mais antigo pintor nascido em Portugal documentado na região da Toscana, em Itália, onde trabalhou entre 1410 e 1434. A assinatura que deixou no retábulo da Igreja de Santa Croce de Fossabanda, próximo de Pisa, onde se diz oriundo de Évora, e uma curta referência do grande historiador Giorgio Vasari, de 1568, que o nomeava «Alvaro Piero di Portogallo», comprovam a sua origem.

    A qualidade plástica e a importância histórica do pintor Alvaro Pirez d’Évora, de quem se conhecem pouco mais de 50 pinturas, artisticamente enquadradas na pintura centro-italiana da época, justificam a organização de uma grande exposição sobre a sua obra e a sua época, que será apresentada no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, entre 29 de novembro de 2019 e 15 de março de 2020.

    Da exposição farão parte pinturas conservadas em Portugal, entre elas a preciosa Anunciação que pertenceu à coleção do chanceler alemão Konrad Adenauer, e ainda obras dos grandes pintores toscanos do seu tempo. Incluindo cerca de 85 peças, pretende-se apresentar também o contexto cultural e artístico em que se desenvolveu a arte de Alvaro Pirez d’Évora. Esta mostra, a mais completa realizada até hoje, contará com empréstimos de grandes museus europeus, entre os quais se destacam a Gemaldegalerie (Berlim), o Musée du Petit Palais (Avignon), o Museo Nazionale di San Matteo (Pisa), a Pinacoteca Nazionale di Siena, a Galleria d’Arte Moderna (Milão), as Gallerie degli Uffizi (Florença), e ainda de muitas outras instituições museológicas e coleções privadas de referência, de Itália, França, Alemanha, Hungria e Polónia.

    Testemunho das intensas relações da área mediterrânica nos alvores do Renascimento, pretende-se agora evocar esta figura ímpar de pioneiro e artista, através de um projeto comum concebido pelo Museu Nacional de Arte Antiga e o Polo Museale della Toscana.

    Comissariado
    Lorenzo Sbaraglio (Polo Museale della Toscana)
    Joaquim Oliveira Caetano (Diretor do Museu Nacional de Arte Antiga)

  • MATERIAIS DE INTERESSE

Visualizador de Conteúdo Web

COMO CHEGAR