Aurélia de Souza apresenta-se como um caso raro no panorama da arte portuguesa de finais do seculo XIX. Ao contrário de algumas mulheres artistas, com quem compartilhou talento, esforço e coragem, a sua vida discreta apenas foi contrabalançada por uma obra que não para de nos surpreender.
A presente exposição visa conciliar esses dois elementos e articular-se-á em quatro grandes áreas, que, da forma possível, abarcam parte significativa da obra de Aurélia de Souza.

O primeiro núcleo - VIDAS - trata essencialmente do retrato na obra da pintora e determina um vetor fundamental da sua produção. Na segunda secção - ESPAÇOS - integram-se os locais de intimidade que refletem o cenário a partir do qual se exerce grande parte da vida de Aurélia e dos seus talentos. Num terceiro momento - TEMAS - propõe-se a obra de Aurélia que regista uma variedade temática de acordo com a amplitude dos seus interesses. Finalmente, o último núcleo da exposição - CORES - é dedicado à exploração do eu, do autorretrato e da autorrepresentação.

A arte aureliana atinge o paroxismo no RETRATO DO CASACO VERMELHO, finalizando este percurso de homenagem, tornando visível a vida e obra desta criadora.


Curadoria

A exposição é comissariada por Maria João Lello Ortigão de Oliveira.