Blocos de aulas

Blocos de aulas

Impacto muito reduzido ou inexistente por custo muito baixo, baseado em provas limitadas

Custo

O custo é indicativo do gasto adicional a ter em conta para a implementação das evidências: novos recursos tecnológicos, cursos de formação, atividades para alunos, etc. A estimativa de custo é aproximada e se baseia nos custos adicionais de uma turma de 25 alunos.

Eficácia

A eficácia é indicativa da força da evidência com base no número e tipos de estudos disponíveis, na qualidade desses estudos e na consistência das estimativas de impacto dos diferentes estudos.

Impacto
+0 meses
  • O QUE É?

    Global

    Os blocos de aulas são uma abordagem aos horários nas escolas secundárias. Normalmente significa que os alunos têm menos aulas (4 a 5) por dia, durante um período de tempo mais longo (70 a 90 minutos). Os três tipos principais de blocos de aulas encontrados na investigação são:

    Blocos de aulas 4x4: 4 blocos de aulas alargadas (80 a 90 minutos) por dia, abrangendo as mesmas 4 disciplinas todos os dias. Os alunos têm 4 disciplinas num período e 4 disciplinas diferentes no período seguinte. Blocos de aulas A/B: 3 ou 4 blocos de aulas alargadas (70 a 90 minutos) por dia, abrangendo as mesmas 3 ou 4 disciplinas em dias alternados. Os alunos têm 6 ou 8 disciplinas por período. Híbrido: um híbrido dos modelos tradicionais e abordagens de 3/4 aulas por dia. Os alunos têm 5 aulas por dia com 60 a 90 minutos.

  • QUAL O GRAU DE EFICÁCIA?

    Global

    Não existem padrões constantes nas provas. Uma revisão sistemática de 2010 concluiu que o padrão 4x4 aparentava produzir resultados globais superiores aos dos horários tradicionais, embora isto possa mascarar diferenças entre disciplinas. Uma análise mais pormenorizada sugere que em ciências a abordagem de blocos de aulas A/B produziu resultados superiores aos dos horários tradicionais (dois a cinco meses de progresso adicional). A matemática e inglês, as provas não foram claras, com estudos a mostrarem resultados melhores e piores para qualquer tipo de bloco de aulas comparativamente com os horários tradicionais.

    As provas sugerem que a forma como os professores utilizam o tempo atribuído é mais importante do que a duração da aula ou o horário das aulas e, como tal, que é improvável que a introdução de blocos de aulas aumente o sucesso escolar por si só. Também pode dar-se o caso de que quando são introduzidos padrões de horário diferentes, as mudanças serão benéficas apenas se os professores alterarem a forma como ensinam para tirar o máximo partido da atribuição de tempo. Os professores e os alunos muitas vezes sentem que as alterações no horário são benéficas, especialmente quando parecem aumentar a interação individualizada. No entanto, estas perceções não estão claramente associadas a uma melhoria dos resultados de aprendizagem.

  • QUAL O GRAU DE FIABILIDADE DAS PROVAS?

    Global

    Existem duas meta-análises recentes que se debruçaram sobre as provas do impacto das alterações nos horários na aprendizagem dos alunos, mas estas assentam num número pequeno de estudos com fiabilidade limitada.

    Os horários afetam principalmente as escolas secundárias, embora o tempo passado em diferentes áreas do currículo também seja relevante ao nível da escola primária. A investigação debruçou-se principalmente sobre o impacto na matemática, no inglês e nas ciências.

  • QUAIS SÃO OS CUSTOS?

    Local

    Os custos da realização de alterações ao horário definem-se principalmente em termos de tempo e esforço organizacional e envolvem um gasto financeiro mínimo.

  • O QUE DEVO TER EM CONTA?

    Global

    As alterações de horário por si só não são suficientes para melhorar a aprendizagem.

    Os professores têm de alterar a forma como ensinam e devem planear e organizar diferentes tipos de atividades de aprendizagem para obter benefícios.

    As alterações de horário foram associadas às metas do currículo e aos objetivos de ensino e aprendizagem (como aulas mais longas para experiências científicas)?

    Já pensou de que forma as aulas mais longas podem permitir outras abordagens promissoras, como melhorar a quantidade de feedback que os alunos recebem do professor ou dos colegas?